Submerso

por João Bosco Bezerra Bonfim

Artes Verbais, Literatura de Cordel, Discurso, Letramento Literário, Narrativas, Poesia


Sobrevoo Porto Alegre
Vejo a mancha da cidade
E com este escuro Guaíba
Não guardo intimidade,
Mas, então, de onde vem
Esta mescla de saudade?

Tropeço nas ruas do Centro
Como quem cata avisos
Jogados ao chão, sem ter
Destinatário preciso

Mas eis que são Moinhos
A mover os Ventos desta estada

Sob os tambores ressonantes
E apitos da madrugada

Então, não sendo saudade
O que mergulho no Guaíba
Será perda ou achado
Quando, já alto, de partida,
Revejo a mancha e a coidade
Outro voo, outra guarida?

Twitter Digg Delicious Stumbleupon Technorati Facebook Email

About João Bosco Bezerra Bonfim

Poeta, pesquisador de linguística e literatura. Mora em Brasília, DF, Brasil. Autor de mais de vinte livros: análise de discurso, poesia, literatura infantojuvenil, cordéis. Nasceu na Barra do Riacho Seco, município de Novo Oriente, Ceará, em 1961. Reside em Brasília desde 1972. Professor de literatura, mestre e doutor em linguística, na área de análise do discurso. Ministra oficinas para mediadores de leitura; faz leituras públicas de suas obras; participa de eventos literários em todo o Brasil.

Nenhum comentário ainda... Seja o primeiro a deixar uma mensagem!

Deixe uma mensagem