Palavra de Presidente – discursos de posse de Deodoro a Lula

por João Bosco Bezerra Bonfim

Artes Verbais, Literatura de Cordel, Discurso, Letramento Literário, Narrativas, Poesia


Acesse aqui o pdf do livro: Discursos de Posse de Deodoro a Lula

 

 

 

 

 

 

Palavra de Presidente, vol. I– Discursos de Posse de Deodoro a Lula. a Oratória dos Presidentes do Senado, LGE Editora, 2004 e 2006. Coletânea de todos os discursos de posse dos presidentes brasileiros, acompanhada de estudo crítico. Uma boa maneira de ler a história do Brasil sob a ótica daqueles que vão assumir o poder. Igualmente valioso para quem quer fazer uma leitura crítica do discurso dos governantes.

 

Apresentação

Mário Rosa Júnior.*

Há três coisas na vida que não voltam atrás: a flecha lançada, a oportunidade desperdiçada e a palavra falada. A palavra do presidente é capaz de unir corações e mentes, formar elos, quebrar correntes, encantar apoiadores seduzir oponentes.
Da Posse à despedida sua palavra será dita como aquela que mais influenciará o sentido de nossas vidas.
O primeiro discurso é o maior momento da Posse em si; traz consigo um desejo contido a se cumprir.
É como uma luz no fim do túnel ao qual devemos seguir. É a esperança que tomará as ruas. É a vontade que invadirá a mente. É o anseio por mudança a percorrer o nosso subconsciente; a aflorar em meio às incertezas e a desaguar no agora, no presente.
No Congresso, no Planalto, na Praça dos Três Poderes ou na TV. Será este a entrar para a História, pois traz em seu bojo sua razão de ser.
Sob olhares e ouvidos atentos voltados a esse momento de reflexão e encantamento cabe ao orador dosar a energia, controlar a euforia, ministrar com alegria e dar sentido à teoria.
As propostas, os problemas, as respostas, os dilemas dão consistência ao discurso, a fim de manter ou alterar o curso da história.
Todos anseiam por esse momento. Primeiro as cortesias, os elogios, os agradecimentos.
Em seguida a menção aos perigos, as ameaças, os inimigos.
As advertências e o apelo à consciência não podem faltar, bem como as manifestações de apoio ao lado de quem se deseja estar.
As crenças e os valores aguçam a imaginação, podem significar maior ou menor aproximação. São tão importantes quanto as propostas, que constituem a resposta mais direta e consistente ao que o povo verá pela frente.
Uma fala construtiva revela o grau de maturidade, transmite confiança e obtém melhores resultados perante a sociedade. Estimula, motiva, favorece a integração, abre espaço para o diálogo e enobrece o cidadão. Inspira alianças, sensibiliza os presentes, potencializa a esperança e nos permite estar cientes que as transformações ou as continuidades serão fruto de um processo amplo construído em prol da sociedade.
O vocabulário do orador nos revela sua relação com o povo, com o novo, com a vida e nos convida a escolher se o melhor a fazer é acompanhar o desenvolvimento de suas atividades ou deixar as coisas acontecerem.
Isso nos projeta a três tipos de pessoas: as que fazem acontecer, as que deixam acontecer e as que perguntam o que está acontecendo, de modo que, à medida que o discurso vai amadurecendo, as pessoas vão tendo a oportunidade de projetar seus anseios e suas personalidades. Consultando a si mesmas, podem imaginar a dimensão de suas responsabilidades, a capacidade de interpretar suas vidas e as perspectivas de contribuir para uma nova realidade.
A Palavra do Presidente deve estar em sintonia com os princípios que regem a dignidade humana e com os desafios apresentados na vida cotidiana. Ela dá inicio a uma serie de interpretações, ações e reações que influenciarão a condução dos objetos e metas traçados para a nação.
Obrigado Bosco pela oportunidade de contribuir com a apresentação, que os frutos desse trabalho amadureçam no seio da sociedade, amplie horizontes e traga a todos satisfação.

* Jornalista (UnB), consultor de imagem, autor de A Síndrome de Aquiles – como lidar com as crises de imagem (Ed. Gente, 2001) e A Era do Escândalo (Geração Editorial, 2003).

 

João Goulart (1961-1964)
Resumo
Discurso
Configuração
Radiografia
Marechal Castelo Branco (1964-1967)
Resumo
Discurso
Configuração
Radiografia
Marechal Costa e Silva (1967-1969)
Resumo
Discurso
Configuração
Radiografia
General Emílio Garrastazu Médici (1969-1974)
Resumo
Discurso
Configuração
Radiografia
General Ernesto Geisel (1974-1979)
Resumo
Discurso
Configuração
Radiografia
General João Batista Figueiredo (1979-1985)
Resumo
Discurso
Configuração
Radiografia
José Sarney (1985-1990)
Resumo
Discurso
Configuração
Radiografia
Pronunciamento do Presidente José Sarney à Nação, em cadeia de rádio e televisão, em 22 de julho de 1985
Fernando Collor de Mello (1990-1992)
Resumo
Discurso
Configuração
Radiografia
Itamar Franco (1992–1994)
Resumo
Discurso
Configuração
Radiografia
Fernando Henrique Cardoso (1994-1998)
Resumo
Discurso
Configuração
Radiografia
Fernando Henrique, (1999 – 2003)
Resumo
Discurso
Configuração
Radiografia
Luís Inácio Lula da Silva (2003-2006)
Resumo
Discurso
Configuração
Radiografia
Os Presidentes e os discursos analisados neste livro
Agradecimentos
Bibliografia

Twitter Digg Delicious Stumbleupon Technorati Facebook Email

About João Bosco Bezerra Bonfim

Poeta, pesquisador de linguística e literatura. Mora em Brasília, DF, Brasil. Autor de mais de vinte livros: análise de discurso, poesia, literatura infantojuvenil, cordéis. Nasceu na Barra do Riacho Seco, município de Novo Oriente, Ceará, em 1961. Reside em Brasília desde 1972. Professor de literatura, mestre e doutor em linguística, na área de análise do discurso. Ministra oficinas para mediadores de leitura; faz leituras públicas de suas obras; participa de eventos literários em todo o Brasil.

Nenhum comentário ainda... Seja o primeiro a deixar uma mensagem!

Deixe uma mensagem