O musgo, de Francis Ponge

por João Bosco Bezerra Bonfim

Artes Verbais, Literatura de Cordel, Discurso, Letramento Literário, Narrativas, Poesia


O musgo

Francis Ponge

       As patrulhas da vegetação detiveram-se em tempos de antanho na estupefação das rochas. Mil bastonetes do veludo de seda assentaram-se então como alfaiates no chão.

     E logo, desde a aparente crispação do musgo na própria rocha com seus lictores, tudo no mundo pego num emaranhado inextricável e encaracolado por baixo, se desvaira, tripudia, sufoca.

     Bem mais, os pelos cresceram; com o tempo tudo ainda escureceu.

     Ó preocupações com pelos cada vez mais longos! Os profundos tapetes, em prece quando neles nos assentamos, reerguem-se hoje com aspirações confusas. Assim cocorrem não somente sufocações, mas afogamentos.

     Ora, escalpar simplesmente da velha rocha austera e sólida esses terrenos de tecido-esponja, esses capachos úmidos, com a saturação torna-se possível.

 

O Partido das Coisas consiste de uma coleção de poemas em prosa escritos por Francis Ponge, publicada em 1942, em que o poeta descreve “coisas” de itens de uso diário, deliberadamente escolhidos pela sua banalidade aparente. O objetivo do livro é o de apresentar objetos com a maior precisão possível, expressando as qualidades físicas e linguísticas da palavra. Simplesmente quer perceber a beleza de objetos do cotidiano.

Poeta e ensaísta. Nasceu em Montpellier, no sul da França, em 27 de março de 1899. A família se muda para Nimes, terra de onde ele se considera como natural. Com dez anos, sua família se muda para a Normandia. Entre 1918 e 1919, esteve no serviço militar.Trabalhou na Editora Gallimard, em Paris, em condição modesta, como secretário, em 1923. Trabalhou, ainda, na Editora Hachete, de 1931 a 1937, igualmente como secretário. Entre 1937 e 1939, foi vendedor de seguros. Publicou no Progress de Lyon, jornal de resistência. Entre 1942 de 1944, foi empregado do Comitên Nacional de Jornalistas. Durante a Segunda Guerra Mundial, engajou-se na Resistência Francesa. Entre 1944 e 1946, publicou no L’Action, semanário comunista, como diretor artístico e literário. De 1952 a 1954, foi professor da Aliança Francesa. Entre 1966 e 1967, esteve nos Estados Unidos, como professor visitante no Barnard College e na Columbia University.

 

Twitter Digg Delicious Stumbleupon Technorati Facebook Email

About João Bosco Bezerra Bonfim

Poeta, pesquisador de linguística e literatura. Mora em Brasília, DF, Brasil. Autor de mais de vinte livros: análise de discurso, poesia, literatura infantojuvenil, cordéis. Nasceu na Barra do Riacho Seco, município de Novo Oriente, Ceará, em 1961. Reside em Brasília desde 1972. Professor de literatura, mestre e doutor em linguística, na área de análise do discurso. Ministra oficinas para mediadores de leitura; faz leituras públicas de suas obras; participa de eventos literários em todo o Brasil.

Nenhum comentário ainda... Seja o primeiro a deixar uma mensagem!

Deixe uma mensagem