Galope para a Tubaroa

por João Bosco Bezerra Bonfim

Artes Verbais, Literatura de Cordel, Discurso, Letramento Literário, Narrativas, Poesia


Galope para a Tubaroa

 

 

 

 

 

 

 

IV
Galope para a Tubaroa

Um dia na praia
De longe avistei
Uma barbatana
Alegre e contente
Conforme o sorriso:
Milhares de dentes
Era a Tubaroa
Artista de grei
Que a tudo engole
Digere? Não sei!
Ela nunca para
Recusa o pensar
E aquilo que ouve
Se esqueceu já
Pois nada sacia
O instinto voraz
Tem sempre com ela
Mil bestas atrás
Cantando galope
Na beira do mar.

João Bosco Bezerra Bonfim

Quarta das fábulas que concebi para o Pequeno Fabulário para Tempos Inclementes.

Twitter Digg Delicious Stumbleupon Technorati Facebook Email

About João Bosco Bezerra Bonfim

Poeta, pesquisador de linguística e literatura. Mora em Brasília, DF, Brasil. Autor de mais de vinte livros: análise de discurso, poesia, literatura infantojuvenil, cordéis. Nasceu na Barra do Riacho Seco, município de Novo Oriente, Ceará, em 1961. Reside em Brasília desde 1972. Professor de literatura, mestre e doutor em linguística, na área de análise do discurso. Ministra oficinas para mediadores de leitura; faz leituras públicas de suas obras; participa de eventos literários em todo o Brasil.

Nenhum comentário ainda... Seja o primeiro a deixar uma mensagem!

Deixe uma mensagem