Concerto para quatro patas e arame farpado

por João Bosco Bezerra Bonfim

Artes Verbais, Literatura de Cordel, Discurso, Letramento Literário, Narrativas, Poesia


Concerto para quatro patas e arame farpado

 

 

 

 

 

 

 

 

III

Concerto para quatro patas e arame farpado

 

No campo vasto de ipês floridos,

Pampa ignora o que sejam porteiras;

E até onde vão seus sentidos,

Ri e relincha, marchando faceiro.

 

E, no galope, o que é que ele avista?

Se não é a poldra Nuvem, na beira

Do riacho, em pose de artista!

De crina tão longa, a voar, maneira.

 

Tão certo é o encontro quão veloz é o passo

De Pampa e Nuvem ao fundo do vale,

Correndo ao quadrúpede abraço.

 

Ao terceiro dia, dois fossos cavados:

A cerca não vence os dois namorados:

Sobre o arame repousam o cansaço.

João Bosco Bezerra Bonfim

Da série FABULÁRIO CONCISO PARA TEMPOS INCLEMENTES
João Bosco Bezerra Bonfim, poeta, Consultor Legislativo do Senado Federal, Doutor em Linguística pela Universidade de Brasília, com tese em Análise de Discurso intitulada “O gênero do cordel sob a perspectiva crítica do discurso”. Autor, entre outros, de Romance do Vaqueiro Voador. Brasília: Callis, 2010 e A fome que não sai no jornal. Brasília: Plano, 2002.

Twitter Digg Delicious Stumbleupon Technorati Facebook Email

About João Bosco Bezerra Bonfim

Poeta, pesquisador de linguística e literatura. Mora em Brasília, DF, Brasil. Autor de mais de vinte livros: análise de discurso, poesia, literatura infantojuvenil, cordéis. Nasceu na Barra do Riacho Seco, município de Novo Oriente, Ceará, em 1961. Reside em Brasília desde 1972. Professor de literatura, mestre e doutor em linguística, na área de análise do discurso. Ministra oficinas para mediadores de leitura; faz leituras públicas de suas obras; participa de eventos literários em todo o Brasil.

Nenhum comentário ainda... Seja o primeiro a deixar uma mensagem!

Deixe uma mensagem