Cacimbas do Poty

por João Bosco Bezerra Bonfim

Artes Verbais, Literatura de Cordel, Discurso, Letramento Literário, Narrativas, Poesia


João Bosco Bezerra Bonfim

Cânion do rio Poty

 

Quem pesa o rumo move um qual prumo?
Saboreia o veio de enganosa
Sinuosa exploradora planície?
Mero engano de areia porosa?

De vário insumo curva-se o rio
Em sobrevoo de cacimbas de prosa
De veios os mais ermos e profundos.

Ora labora o tecido da rosa
E, sombrio, por alas e veredas
De mofumbos, em caules sinuosos

Ora vela sofismático, seco
Em caminhos ninhos entre os ombros.
Ecoa — cachoeiras — rumoroso.

João Bosco Bezerra Bonfim
Barra do Riacho Seco, 21 de junho de 2016

Twitter Digg Delicious Stumbleupon Technorati Facebook Email

About João Bosco Bezerra Bonfim

Poeta, pesquisador de linguística e literatura. Mora em Brasília, DF, Brasil. Autor de mais de vinte livros: análise de discurso, poesia, literatura infantojuvenil, cordéis. Nasceu na Barra do Riacho Seco, município de Novo Oriente, Ceará, em 1961. Reside em Brasília desde 1972. Professor de literatura, mestre e doutor em linguística, na área de análise do discurso. Ministra oficinas para mediadores de leitura; faz leituras públicas de suas obras; participa de eventos literários em todo o Brasil.

Nenhum comentário ainda... Seja o primeiro a deixar uma mensagem!

Deixe uma mensagem