barra do riacho seco

por João Bosco Bezerra Bonfim

Artes Verbais, Literatura de Cordel, Discurso, Letramento Literário, Narrativas, Poesia


 

dia sim
dia sim
o sol suntuoso bate
tal qual sino
dia sim
dia sim
luxuoso
sobre os chapéus
de palha

 

e encontra também
amado eco
seco
nos mandacarus
nas pedras
nos juazeiros

 

dia sim
dia sim
dia sim
virtuoso

 

tão bem  ressoam
os juazeiros mesmo
sem as copas
cedidas às reses
algumas, agora, só ossos
reluzem
tão bem
sob o sol
esses sim

constantes
dia sim
dia sim

 

 

também ressoam
dos juazeiros
cicatrizadas

as cascas
em nós
sobre nós
dia sim
dia sim
assim

métricas

 

também

em bléns
percutem

as pedras
tão bem

sonantes
tão bem

amadas
pelo sol que anima
caviloso

 

á os sabiás sabem
mais que percutir
desarmonizam:
a oração tão bem ensaiada
a pedir chuva
tão dissonantes

Twitter Digg Delicious Stumbleupon Technorati Facebook Email

About João Bosco Bezerra Bonfim

Poeta, pesquisador de linguística e literatura. Mora em Brasília, DF, Brasil. Autor de mais de vinte livros: análise de discurso, poesia, literatura infantojuvenil, cordéis. Nasceu na Barra do Riacho Seco, município de Novo Oriente, Ceará, em 1961. Reside em Brasília desde 1972. Professor de literatura, mestre e doutor em linguística, na área de análise do discurso. Ministra oficinas para mediadores de leitura; faz leituras públicas de suas obras; participa de eventos literários em todo o Brasil.

Nenhum comentário ainda... Seja o primeiro a deixar uma mensagem!

Deixe uma mensagem