Arquivos | 10 de maio de 2013

barra do riacho seco

por João Bosco Bezerra Bonfim

  dia sim dia sim o sol suntuoso bate tal qual sino dia sim dia sim luxuoso sobre os chapéus de palha   e encontra também amado eco seco nos mandacarus nas pedras nos juazeiros   dia sim dia sim dia sim virtuoso   tão bem  ressoam os juazeiros mesmo sem as copas cedidas às […]

Leia mais

Os retirantes, de Portinari

por João Bosco Bezerra Bonfim

Diga-me com os seus olhos: O que é que você vê Diante de tanta mágoa Tanto inferno a padecer. Diga-me com suas lágrimas O que é que você esconde Quando procura essa voz Que do obscuro não responde. Diga – e não cale, agora – Se estes santos animais Travestidos de humanos Não são de […]

Leia mais